Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


Uíge a cidade da coabitação de vários usos e costumes.

Publicado por Nkemo Sabay activado 28 Julio 2010, 13:08pm

Etiquetas: #Notícias do Uíge

                                  

                                                   Uma das ruas da Cidade do Uíge

Por Matumona Muanamosi.
 

 Na década de 70, antes e logo depois da independência, a província do Uíge, incluindo a sua cidade capital, era chamada por muitos como “terra dos zairenses”.

Isto porque muitos angolanos que se tinham refugiado no então Congo Belga, que mais tarde chamar-se-ia da República do Zaíre, começaram a regressar, religiosamente, à terra dos seus antepassados. Muitos destes compatriotas tiveram os seus filhos naquele país vizinho, adquiriram as línguas, os usos e costumes dos zairenses (na altura). A adaptação na terra dos seus pais era um problema sério, pois a socialização não se concretiza num pouco espaço de tempo. É um processo gradual, eficaz, e indispensável para qualquer ser humano.
Com pouca ou muitas dificuldades, Uíge era uma cidade onde todos coabitavam sem qualquer problema, depois dos primeiros contactos menos pacíficos com os regressados que vinham da então República do Zaíre, onde também passaram por muitas humilhações, pois viviam num país que não era dos seus antepassados, embora séculos antes tenha sido apenas um só reino: o tão poderoso Reino do Kongo… Todavia, estes contactos preliminares, que foram difíceis, não foram registados apenas na província cafeícola, pois Cabinda, Mbanza Congo e Luanda (principalmente estas) tiveram a mesma experiência.
Para ultrapassar este “choque”, recorde-se, o então partido único, que na altura era o único órgão que governava o país, optou por uma política que visava a aproximação dos povos de línguas e culturas diferentes, promovendo uma coabitação equilibrada e pacífica entre todos os que apareciam sobretudo na cidade de Luanda.
Muitas iniciativas foram incrementadas para que o povo angolano percebesse que o irmão que vinha de fora também era membro da mesma família angolana. Com o tempo, tudo ficou claro e calmo, e a coabitação era uma realidade, visando, assim, a unidade nacional… Depois destes esforços, anos houve em que tudo parecia regressar ao ponto zero. Concluiu-se que a guerra surge não só para provocar mortes, mas também divisões e outras mazelas. E os uigenses bem sabem o que aconteceu e como viveram todos estes “momentos de turbulência”. São, ou foram, factos históricos, e a própria história tinha que tomar outro rumo.
Em 1993, regressava eu à minha cidade natal, anos depois de um “êxodo” na terra dos “tios” que nos colonizaram: Portugal, um país onde, muito mais tarde, me sentia como se eu estivesse em minha casa. Neste mesmo ano (1993), encontrei uma outra face da cidade do Uíge, que vivia uma situação muito diferente de outras províncias. Era o tempo de guerra, em que a cultura do medo se tinha instalado no povo desta belíssima terra. Depois de outras vicissitudes que não valem a pena contar, veio a paz. E com esta paz, o povo procurou “recompor-se” também com os seus próprios esforços, e com a sua boa dose de esperanças, que ele nunca perdeu, mesmo em tempos de turbulência.
E hoje, como está o “postal” da cidade do bago vermelho? De 2008 a 2009, estive de novo fora do país e foi exactamente neste período que Uíge tinha mudado substancialmente de “rosto”. E ao longo deste ano de 2010, mais transformações radicais surgiram, e as mesmas fazem lembrar a muitos os velhos tempos em que a minha cidade natal era chamada de “terra dos zairenses”, pois os povos estrangeiros que vieram de longe, de muito longe mesmo, estão a marcar uma presença bem visível. E vieram com a sua saga de comércio, com os seus usos e costumes, e com a sua religião: o islão.
Desta vez, encontrei o Uíge a registar convívio com outros povos. É fruto das mutações sociais e da paz que está a reinar no país. Posso dizer, precisamente hoje, que a minha cidade natal é quase “terra dos malianos e dos chineses”. Aparecem em todos cantos como cogumelos. Até o meu famoso bairro de Kandombe Velho (onde vivi parte da minha infância), uma área cujos habitantes manifestaram sempre a preocupação de preservar os valores tradicionais, está a ser invadido. Lá vi chineses a comer funje com kizaka e mfumbua (pratos típicos da região), e a beber o delicioso malavu (bebida tradicional local), circulando à vontade como se estivessem no seu país…
E os malianos, senegaleses e mauritanianos? Também lá estão. Bem-postos, com muitos minimercados, vendendo tudo menos bebida alcoólica, namorando com conterrâneas minhas, e espalhando o islão, uma religião considerada por nós como uma crença muito estranha. Mas, lá vão sem qualquer problema de consciência. “Aqui não se vende bebida alcoólica. Somos muçulmanos!”, dizia-me um maliano, no seu cantinho, quando lá fui para umas pequenas compras. Antes, o lugar pertencia a uma conhecida família angolana, que decidiu vendê-lo (ou arrendar?) a este cidadão maliano.
Agora que os uigenses estão a preparar as festas da cidade, que começam amanhã, quinta-feira, tenho a certeza de que malianos e chineses marcarão em grande a sua presença, com pessoas amigas que são naturais do Uíge. Será isto também resultado da globalização? 

                                                                                                   

Archivos

Ultimos Posts