Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


VIAGEM AO BEMBE E DAMBA (3)

Publicado por Muana Damba activado 4 Julio 2010, 03:44am

Etiquetas: #Fragmentos históricos da Damba

 

 

Por José Cardoso - Governador de distrito Congo  português em 1912

 


 

5 9

 

 


De Damba a Maquela do Zombo.

 

Deixámos a Damba, com destino a Maquela, no dia 2 de Outubro, às 11 horas, chegando ao destino marcado a 4, às 15 horas e 25 minutos, tendo feito cerca de 100 quilómetros em 19 horas e 10 minutos, durante três dias de viagem. Passámos a tarde do dia 3 em Quibocolo, onde se acham instalados um posto militar e uma estação da missão inglesa da B.M.S., já citada, e que ali está estabelecida desde 1889.


Desde a Damba até Maquela dispomos de uma estrada bem cuidada, larga de 6 metros, e que se estende até Banza Bata, na fronteira, sobre o caminho de Tumba. Esta estrada foi construída por minha ordem depois do nosso estabelecimento na Damba, com a intenção de facilitar a concentração da força que devia operar,no cacimbo que acaba de passar, nas regiões de leste e sueste do distrito.

 

Com efeito, quando em Junho de 1911 fui ao Quibocolo, o caminho era difícil de ser percorrido por artilharia, pois que na sua maior parte era constituído por sulco no terreno aprofundados pelas chuvas, pelo qual caminhava uma pessoa, ficando com o terreno adjacente à altura dos ombros e portanto sem horizonte, devido ao alto capim.


Vi com satisfação que as minhas ordens foram cumpridas, sendo apenas paralamentar que não fosse essa importante estrada aproveitada no fim capital a que era destinada. A estrada que está construída consiste em manter limpa, lisa e regularmente nivelada uma faixa de terreno de 6 metros de largura e que estende desde Damba a Maquela e a Banza Bata, com o comprimento total de cerca de 150 quilómetros. Além disto aperfeiçoou-se o traçado do caminho gentílico, evitando-se as curvas desnecessárias e procurando-se os declives mais suaves, rasgaram-se as matas, onde passa a estrada, mantendo a sua largura, e aos fundos de vegetação gigantesca e luxuriante, que em mais dum ponto se encontram desde a Damba para norte. (…)Os campos, as povoações, a natureza, as produções e as matas, tudo apresenta o mesmo aspecto que descrevemos, depois que se entra no Ncuso e se passa para a Damba; os terrenos, todavia, têm menos aparência,sendo mais arenosos e cheios de fragmentação de quartzo.


Torna-se apenas excepcional a grande quantidade e variedade de orquídeas selvagens, notáveis pela beleza e mimo dos tons, e pelas formas caprichosas que apresentam.

 

 

 

                                                       

                                                                                             Pesquisa do ARTUR MENDES.

 

 


Archivos

Ultimos Posts