Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


FRAGMENTOS HISTÓRICOS DA DAMBA 21.

Publicado por Muana Damba activado 26 Agosto 2010, 13:35pm

Etiquetas: #Fragmentos históricos da Damba

 

Por José Cardoso

 

Rm2485_198.jpg

 

 

CIVILIZAÇÃO DO INDÍGENA ( COLONIZAÇÃO )

“ È tal a influência que o comércio bem orientado pode exercer na civilização dos meios primitivos, que – quando se formaram as colónias da bacia convencional do Congo, que foram organizadas sob elevado desígnio e generoso intuito de promover o progresso da humanidade habitando esta zona equatorial, e de estabelecer o bem-estar, que as atrasadas povoações do Congo desconheciam e que podia ser-lhes facultado com os benefícios que a civilização europeia havia de trazer-lhes, foi consagrada oficialmente essa influência benéfica, contando-se que pelo comércio se realizaria o grande plano de engrandecimento da vida cafreal no coração da África.

Nesta ordem de ideias, estabeleceu-se, como princípio fundamental da constituição das colónias da bacia convencional, a inteira e a mais ampla liberdade comercial que pudesse imaginar-se, tal como ficou definida nos artigos 1º. e 5º. Do Acto de 1885.

Contava-se que, com o estabelecimento livre das casas de comércio e de feitorias, repletas de mercadorias provenientes dos centros de produção civilizados, espalhadas por toda a parte, vendendo-se a baixos preços, sob o regime moderno da concorrência mercantil, o indígena fosse atraído facilmente, e que para obter o dinheiro necessário para as suas compras, ou o género necessário para a troca, exigido pelo comércio, se precipitasse espontaneamente no trabalho livre, do qual desabrocharia uma ridente civilização para as populações primitivas, até então mergulhadas nas trevas da barbaria – civilização que se desenvolveria por um processo evolutivo, natural e espontâneo,perfeitamente admissível, se o índice moral das raças, que habitam essa vasta região africana, estivesse livre de uma infinidade de preconceitos gentílicos que prejudicam,senão completamente, pelo menos em grande parte, a aplicação das leis sociais que regem os meios civilizados, quando arremessados de chofre para meios totalmente desprovidos de preparação para recebe-las.

Com a abundância característica das regiões tropicais, ter-se-ia constituído na bacia convencional um verdadeiro paraíso de pretos, que por certo faria a inveja dos brancos, se não fora meramente falaz a lógica com que se fundamentou a teoria da civilização pelo comércio.

O que aconteceu, e o que por todos é reconhecido, é o que vai descrever-se sucintamente, sendo notável que, volvidos tantos anos de desenganadora experiencia,ainda se frise a influência do citado princípio civilizador, consignando-o no artigo 12º. Do Acordo franco-alemão de 4 de Novembro de 1911.

Ora, tem acontecido desde o inicio das descobertas até aos nossos dias, que o europeu que vem para a África, envolvido em empresas comerciais, não se precipita no sertão pelo irresistível impulso de vir melhorar a condição social dos indígenas, comovido ou condoído pela miséria das circunstâncias da vida rudimentar e primitiva que a humanidade tropical arrasta, por desconhecer a forma de utilizar as comodidades que a civilização pode oferecer-lhes, e por desconhecer mesmo quais sejam essas comodidades que o comércio generoso pode tornar-lhes conhecidas e facultar-lhes facilmente por preço módico.

Não! O homem de negócios vem a África movido pela ambição irresistível de fazer fortuna o mais rapidamente possível, enquanto que o seu subalterno nas operações comerciais vem impelido pela imperiosa necessidade material de prover à sua subsistência, conforme a categoria de trabalhador em que, pelos seus conhecimentos e
precedentes se enfileira.

Não há, pois, tergiversações possíveis. O comerciante está em África para fazer dinheiro e não porque tenha qualquer vislumbre de pretensão de educar pretos ou fazer pretos felizes”

 

 

                                                                 Em colaboração com ARTUR MÉNDES

 


 


Archivos

Ultimos Posts