Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


Escombros da guerra dão lugar a obras sociais

Publicado por Muana Damba activado 29 Diciembre 2013, 07:32am

Etiquetas: #Notícias do Uíge

 

 

Por António Capitão

 

 

thumbs.sapo.pt.jpgmkoe.jpg

 

Os sinais de desenvolvimento na vila de Macocola, sede da comuna com o mesmo nome, a 200 quilómetros da cidade Uíge, substituem os da guerra da qual ninguém se quer recordar.

 

Administração Comunal e populçação de mãos dadas apostam em reconstruir a vila para finalmente poderem gozar de melhores condições e por isso há investimentos nos mais variados sectores e cresce o núemero de escolas, unidades sanitárias, lojas e casas sociais.


O jovem Miguel João confirmou ao Jornal de  que “as condições de vida dos habitantes da comuna melhoraram significativamente desde 2002, com a conquista da paz”.


A estrada que liga Macocola à cidade do Uíge e passa por Sanza Pombo, Puri e Negage está totalmente reabilitada e o sinal de rádio é uma realidade, bem como o de uma operadora de telemóveis.


Miguel João quer esquecer a guerra e por isso lembrou de forma fugaz que “naquele tempo a vida em Macocola era muito difícil e não havia condições de circulação porque a estrada estava totalmente destruídas e em alguns pontos interrompida devido às ravinas”.


Já com alegria espelhada nos olhos referiu que “hoje a situação é totalmente diferente” e que Governo Provincial tem instalado várias infra-estruturas, entre as quaios salientou escolas e serviços de saúde, e que “os filhos da região também investem na terra”.


O governador da província, que recentemente visitou a vila para se inteirar da execução dos projectos realizados no âmbito dos programas de combate à pobreza, bem como dos serviços municipalizados de saúde, disse que “a comuna de Macocola deve merecer atenção especial devido à localização estratégica” que facilita o desenvolvimento dos municípios de Quimbele, Buengas e da sede municipal de Milunga. A comuna, salientou, está num ponto geográfico que permite o acesso à República Democrática do Congo com a qual nos próximos anos queremos reforçar as relações comerciais. 

Educação

A comuna tem 31 escolas, 11 das quais são já construção difinitiva, com aulas do primeiro e segundo ciclo, onde trabalham 270 professores e estudaram no último ano lectivo 5.830 alunos.


O número de escolas e de professores, afirmou o administrador comunal, é ainda insuficiente, tendo em conta que a maioria dos alunos estuda em salas improvisadas.


António Muteba garantiu que, “mesmo assim, grande parte das crianças e jovens estão inseridos no sistema de ensino”, mas que gostava que fosse construída uma escola com 24 salas de aulas para o II ciclo do ensino secundário e mais primárias nas regedorias com maior concentração populacional.


O governador Paulo Pombolo anunciou que a Administração Municipal, no âmbito do programa de combate à pobreza, constroi no próximo ano mais salas porque “uma sociedade apenas se desenvolve com pessoas formadas profissional e academicamente”.


 Os recursos financeiros da Administração Municipal, disse, não permitem a construção de uma escola de 24 salas, pelo que a solução é construir em 2014 várias com pelo menos seis salas.

Saúde

A saúde é o sector que regsita mais debilidades. O único centro funciona numa casa arrendada, cujo proprietário já avisou que não renova o contrato de arrendamento com a Administração Municipal. Além disso, a conuna não tem médico e há apenas 14 enfermeiros para mais de 25 mil habitantes.


O administrador salientou a importância de se instalar um centro de saúde, contruído de de raiz e devidamente equipado, bem como contratar dez enfermeiros e um médico especializado em clínica geral.

Energia e água


O governador Paulo Pombolo prometeu que em 2014, ao abrigo do Programa de Investimentos Público, vai ser erguido um edifício onde vai ficar instalado o centro de saúde, pois é importante que uma instituição pública “tenha infra-estruturas próprias”.


O sistema de captação e distribuição de água à vila de Macocola construído em 2010 deixou de funcionar há alguns meses devido a uma avaria e a que é fornecida não possui condições para o consumo.
O administrador comunal afirmou ser urgente a identificação de outro local para a captação e a reparação ou substituição da Estação de Tratamento de Água (ETA), instalada em 2010.


 “As senhoras e crianças percorrem longas distâncias para irem buscar água aos rios, que como não é tratada não deve ser consumida”, disse e sublinhou que “a situação pode provocar o aumento de várias doenças na região”.

Agricultura e comércio


Paulo Pombolo deterninou que seja identificada outra fonte para a captação da água, anunciou a construção de um ramal para a transportar até a ETA e garantiu que os técnicos da Direcção Provincial da Energia e águas vão tentar saber as causas da avaria nos equipamentos para a sua recuperação ou substituição.


Macocola tem um supermercado, várias lojas lojas e um mercado rural onde a população vende e compra produtos do campo e bens industriais. O administrador comunal disse ao Jornal de Angola que gostava que houvesse mais investimentos de empresários e melhor oferta de bens e serviços, pois Macocola é das comunas com maior potencial agrícola na província.


Na comuna há 30 associações de camponeses que se dedicam ao cultivo da mandioca, feijão, banana, mandioca, inhame, pevide, gergelim e citrinos, mas a falta de incentivos, lamentou, tem impedido melhor produção agrícola.


Os nossos camponeses, insistiu, nunca beneficiaram do crédito de campanha agrícola ou de outros incentivos institucionais que lhes possibilitavam desenvolver melhor a sua actividade. Assim, o que produzem é praticamente para consumo próprio.  

Centro cultural


O governador inaugurou na vila um centro cultural comunitário “para os jovens terem onde ocupar os tempos livres de forma útil”.  O centro é constituído por uma sala de conferências para cem pessoas, e outra de informática com 18 computadores ligados à Internet, o que permite aos habitantes da comuna contacto com novas tecnologias de comunicação e informação e adquirirem os conhecimentos informáticos.


Paulo Pombolo também inaugurou duas casas T3, uma para o administrador comunal e  a outra para o adjunto. A cada um dos administradores das comunas de Macocola, Massau, Macolo, Alto Zaza, Kwango, Buenga Sul e Cuilo Cambozo entregou uma viatura.


Administração de Macocola entregou bens alimentares, equipamentos agrícolas e desportivos, vestuário, cobertores, produtos de higiene e chapas de zinco para as pessoas mais necessitadas. As crianças receberam brinquedos.


O governador nesta deslocação a Macocola visitou as obras de reabilitação da estrada que liga a vila ao Quimbele, que estão em fase de conclusão. Faltam asfaltar apenas dez quilómetros, o que deve ser feito em Janeiro.

 

 

                                                                                                    J.A

 


Archivos

Ultimos Posts