Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


Cantora Lina Alexandre valoriza cultura bakongo.

Publicado por Nkemo Sabay activado 13 Diciembre 2010, 14:46pm

Etiquetas: #Música

 

Por Jomo Fortunato

Lina Alexandre uma voz feminina que está a despontar no panorama musical angolano(foto de D.Bernardo)

 

Lina Alexandre emerge no panorama musical angolano, optando por uma estratégia de valorização do cancioneiro tradicional, sobretudo em língua kikongo, reutilizando uma prática artística, passível de se estabelecer um paralelo, pela incidência no recurso à tradição oral, com a génese da obra deixada pelo carismático Teta Lando.


Cantora de múltiplos recursos artísticos, Lina Alexandre iniciou a prática do canto com os pais, aos seis anos de idade, pela frequência assídua na Igreja Anglicana, de 1975 a 1980, e integrou, como corista, "Os Peregrinos", uma formação musical, familiar, de propensão gospel e religiosa, com Adão Alexandre, Matondo Alexandre, Guerra, Ernesto e Mateus. De notar que Cananito Alexandre, embora não integrasse o grupo, foi o grande impulsionador e compositor do grupo.


Filha do Reverendo Alexandre Domingos e de Beatriz Alexandre, Marcelina Huna Alexandre, seu nome próprio, nasceu no Uíge, no dia 26 de Junho de 1964. Licenciada em sociologia na Alemanha, país onde viveu de 1989 a 2004, Lina Alexandre pertence a uma notável dinastia de músicos, dos quais se destacam: Cananito Alexandre, Adão Alexandre, Matondo Alexandre, irmãos da cantora,  João Alexandre e Toya Alexandre, cantores e sobrinhos de Lina.

A formação musical

Lina Alexandre herdou, pela prática da religião, a absorção de valores morais, a disciplina vocal e o respeito pela tradição, factores que condicionaram a tipologia da sua música, num processo que acabou por colocar a cantora na vanguarda das jovens  intérpretes, da  geração do pós-independência, que enaltecem o canto, e os princípios morais, veiculados, fundamentalmente, em línguas nacionais e pela generalidade da cultura angolana.


"Quanto mais informação tiverem os jovens, defende a cantora, estarão em melhores condições para intervir na sociedade. Alerto os músicos a terem cuidado quando elaboram as suas letras e composições. É importante sabermos que mensagem estamos a transmitir, e estar conscientes da responsabilidade social da música".


A cantora defende ainda ser "necessário explicar aos músicos que formar-se ou ter estudos superiores, não deve ser somente em sectores como a medicina, engenharia ou psicologia. O músico precisa de formação na sua profissão. Para uma sociedade é muito importante que as pessoas se especializem e, se a opção for a música, então devem saber tudo sobre esta arte".

Discografia

Lina Alexandre é detentora de um discurso musical que valoriza, no texto das suas canções, a abordagem de questões relacionadas com a emancipação da mulher, a crítica à exploração sexual de menores e a liberdade da mulher, enquanto preceito consubstanciado no respeito pela moral tradicional, e os princípios pedagógicos da filosofia dos costumes.


Com o CD "Luzingo Malembe", editado em 2000, Lina Alexandre inaugura a produção discográfica da sua carreira, surgindo, em 2008, o CD "Kilulieve", termo que, em umbundu, significa "Aqui na Terra". Cantado em várias línguas desde o kikongo, sua língua materna, ao kimbundu, kuanhama, umbundu, lingala e shuayili, “Kilulieve” inclui ainda canções em língua portuguesa e francesa.


O CD teve a participação dos músicos João Alexandre, seu irmão, Quintino, Dalú Roger, Sanguito, Pedrito, Nonó, dos agrupamento os Versáteis,  Sissi Lemos, Dodó Miranda, Mias Galheta, Miqueias e o grupo Alfa e Ómega, além de Guy Matote, da República Democrática do Congo, e do Gabriel, professor de música.


Alinham no CD os géneros kinguenia, tchianda, rumba, mistura de mutuachi e tchianda, ritmos característicos do norte de Angola, bem como uma inovadora experiência de semba, demonstrando a sua  versatilidade, enquanto cantora. O CD reúne os temas: "Masse Meto", "Lágrimas", "Hadi Yami", "Kululieve", "Kulukha", "Lelo Na Kámue", "Muali Wange", "Não Chore Mais", "Sengola", e "Leve-toi".

Concerto memorável

Lina Alexandre realizou o seu grande espectáculo no cine Atlântico, no dia 12 de Junho de 2009, ocasião em que a cantora homenageou as cantoras Lurdes Van-Dúnem e Miryan Makeba.


"Luzingu ma Lembe", o grande sucesso da cantora, foi o tema de abertura do concerto, que teve a participação dos cantores angolanos: Sabino Henda, Bela Chicola, Duo Canhoto e do trompetista sul-africano Hugh Masekela, o convidado especial de Lina Alexandre. 


"O meu espectáculo foi preparado num ano. Foi necessário tempo para prepará-lo, porque a arte leva muito  tempo para se criar e não é num dia, duas semanas ou um mês. Estamos a falar de grandes espectáculos. A remuneração é um aspecto e o espectáculo é outro", sustentou a cantora.

Participação em festivais

Em Junho de 1989, Lina Alexandre vence o concurso "Pé no palco", um programa dedicado à descoberta de novos valores, da Rádio Nacional de Angola, e participa,  no mesmo ano, no FENACULT, Festival Nacional da Cultura, realizado pelo Ministério da Cultura de Angola. Em 1995,  foi convidada a paricipar no Festival Tumensa, em Berlim, e no ano seguinte, no Festival Internacional de Bona, representando Angola na Alemanha.


Num processo de divulgação e internacionalização do seu trabalho, Lina Alexandre participa, em Agosto de 2005, no Festival Mundial da Juventude, em Caracas, na Venezuela e no dia 11 de Novembro do mesmo ano integra o grupo artístico angolano às comemorações da independência de Angola,  em Roma. Em Junho de 2006, durante o Mundial de Futebol, Lina Alexandre participou no Festival de  Hannover, igualmente  na Alemanha.

    
                                                                                                                                                J.A

Archivos

Ultimos Posts