Overblog Seguir este blog
Edit post Administration Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


A Damba está aberta a todos nós.

Publicado por Muana Damba activado 18 Enero 2013, 14:03pm

Etiquetas: #Coisas e gentes da Damba

 

Por Miguel Kiame


 

Mig-Kiame.jpg

 

 

Eram aproximadamente sete horas, numa manhã fria e cinzenta, densamente abonada de nevoeiro, quando me despedi da Damba. Na véspera da partida, depois de uma tarde assolada por uma chuvinha intermitente, por volta das 18.00 horas, alastrou-se de forma assombrosa, uma vaga de nevoeiro cuja opacidade não permitia identificar um poste de iluminação a uma distância de cerca de duzentos metros. É recorrente este comportamento do micro clima da banda que venho experimentando nos últimos anos. A título de exemplo, ano passado, na mesma altura do ano, os termómetros registaram a antipática temperatura de 12º C, em plena estação quente. Na Damba, é bem possível ligar o Natal ao frio e à lareira, como acontece no hemisfério norte.


Dias antes, estava eu e o Tony Tungo (na imagem) a fazer exercícios de medição comparativa das altitudes de várias localidades e chegamos a conclusão de que as regiões que apresentam maior incidência quanto aos níveis pluviométricos, frio e nevoeiro, são exactamente aquelas situadas a altitudes acima dos 1.150 metros. Isto, em parte, justifica a existência de micro climas tão díspares entre regiões tão circunvizinhas como Damba, 31 de Janeiro e Nkama-Ntambu, por exemplo, em que a primeira apresenta um clima mais húmido e mais frio do que as duas últimas.


Desta vez, quebrei o record de permanência ininterrupta na Damba, dos últimos quarenta anos. Foram 15 dias, tempo que me permitiu fazer esses ensaios e brincadeiras. Nesse período, também tive o privilégio de tentar voltar a ser o que havia sido naquela longínqua e briosa época pueril e juvenil. Porém, foi uma tentativa vã porque os tempos não voltam mais e são outras as motivações, diferentes os interesses, as prioridades, os argumentos de razão…Mais do que isso, os contextos político-sociais e económicos. Essa tentativa teve o condão de não evitar um recôndito sentimento de saudade cuja satisfação jamais encontra eco e uma sensação de impotência em despir-me totalmente dos impulsos e hábitos dessas modernices a que nos tornamos irremediavelmente reféns.

Oportunamente, eu divulgara por esta via, o convite / repto sob o lema que adoptei como título desta crónica, com o objectivo de levar à graciosa vila a nossa solidariedade, o nosso calor e habilitar-nos a uma generosa descompressão que sempre experimentamos quando largamos o desvario e o stress de Luanda que fazem cair aos pés o coração de qualquer citadino. O convite era viver a Damba tal como a conhecemos com a sua ambiência social desprovida de pruridos e esquemas de classe, enfim, saborear a brandura e frescura do clima temperado, em detrimento do sufoco da grande Luanda.

Pessoalmente, minha decisão sobre a matéria já faz parte do passado. Há mais de cinco anos que por essa ocasião mobilizo o meu aparato logístico em busca daquele conforto. Infelizmente, este ano não me fiz acompanhar da “família real” por motivos de vária ordem. Não foi fácil sustentar a minha decisão perante a inclusão desse novo elemento tão desmotivador, mas a certeza de que a decisão não era o resultado de um acto inadvertido, deu-me uma alma nova, por isso, segui viagem.

Perante a situação de excepção, viajar sozinho, confesso que muitos fantasmas passaram pela minha retina e, vezes houve, em que o tremor provocado por essas ideias fantasmagóricas quase que me faziam recuar na minha decisão. Porém, não se tratando de uma decisão intempestiva porque devidamente amadurecida, a viagem a Damba sempre aconteceu e, por sinal, mais cedo do que o previsto. Viajar, nesses moldes, significava, por outro lado, assumir sozinho, os riscos da imprevisibilidade da viatura e das louquices que vão fazendo morada nas nossas estradas, mas também desfrutar da liberdade no agir sem as limitações decorrentes dos cuidados a ter quando se viaja com crianças. Fazendo jus a essa liberdade, a primeira inovação que introduzi, foi a mudança de rota. Considerei ser fascinante reviver e sentir os efeitos paisagísticos da rota Luanda, Ndala Tando, Lukala, Samba Cajú, Camabatela, Negage…

 

400553 234636046612070 100001970284179 528055 1869689531 n



Segundo informações não confirmadas, a diferença em termos de distância, é de cerca de 100 Km. Se me perguntarem qual dos trajectos é o melhor, a resposta como é evidente, nunca será contundente nem categórica. Temos que relativizar de acordo com os benefícios que se pretendem colher da viagem. Para ganhar tempo é preferível, por enquanto, a via Luanda Caxito, não obstante essa mesma começar a ganhar indícios alarmantes pelo susto quase permanente que os buracos nos pregam. Se juntarmos a esse infortúnio o complicado e desgastante traçado resultante de um relevo geográfico muito acidentado, com cerca de 100 Km de sobre e desce abruptos e de curvas e contracurvas agravadas numa estrada descaradamente estreita, inclinamo-nos a optar pela rota do famoso planalto de Camabatela.


Não tenho dúvida que é a mais cômoda. Quanto ao aspecto da beleza paisagística têm ambas a mesma excelência, isto é, são surpreendentemente bem dotadas, constituindo uma rica fonte de inspiração inesgotável. A Divina Providência dotou à nossa natureza recortes de formosura inigualável. Na verdade, fiquei boquiaberto perante a exuberância daquela paisagem e questionei-me, vezes sem conta, a razão porque a minha memória não tinha conservado tão belas imagens.

As reacções ao convite / repto atrás referido, de tão ténues que foram quase que soaram em surdina e imperceptíveis. Assim, marcaram presença na Damba, além do meu companheiro e vizinho, Tony Tungo, com o qual partilhei verdadeiros momentos alucinantes, pela cumplicidade que nos é característica, pela diversidade temática das nossas tertúlias sempre acaloradas, pela semelhança de pontos de vista e interesse em fazer qualquer coisa, o mínimo que seja, para essa Damba, para demonstrar aos indecisos e propagadores da teoria do caganço às práticas feiticistas que esses medos são infundados e não passam de “desculpas de mau pagador”. A Damba está aberta a todos nós. Cada um de nós pode fazer algo interessante. Não se precisam de projectos megalómanos, mas de pequenas realizações que somadas potenciarão as premissas para o desenvolvimento sustentado do nosso vilarejo.

Passou por Damba, nesse período, a Tina Rescova que está a surpreender tudo e todos com o seu projecto do Kintoto, situado imediatamente a seguir ao Rio Lueka, para quem se dirige a Maquela do Zombo. Com instalações provisórias colocou a disposição dos munícipes e não só, de uma gama de produtos frescos e bebidas. Toda a gente pode, com notável economia de tempo, abastecer-se a preços de mercado local daqueles produtos. Pelo que me apercebi, o projecto, cujo esqueleto das instalações definitivas já se encontra no local, constará de um armazém para comercialização de produtos diversos, um contentor frigorífico, já instalado e pronto para fornecer gelo e uma bomba de combustível. É um esforço assinalável que vale a pena fazer menção e que se está a juntar ao do Domingos Paulo, cujo sucesso dispensa comentário.


Manuel tungo

                Nelo Tungo (Manuel Graças a Deus, a esquerda) com os seus pais na Damba


Nelo Tungo e descendentes, num rasgo meteórico, também marcaram presença. Com ele e descendentes, os pais dele (o casal septuagenário e sempre bem disposto) e o já referido meu
companheiro Tony, fizemos uma rápida incursão até Kibokolo, numa visita familiar. Kibokolo está a reerguer-se fantasticamente! É bonito ver o que se está a investir naquela Comuna de Maquela do Zombo. A escassos metros da sede da Comuna divisa-se uma soberba moradia em grandeza, qualidade arquitectónica e sumptuosidade. Em frente, um luxuoso hotel de fazer inveja, com traços arquitectónicos orientais, e mais adiante, imensos campos cultivados com variados produtos, um complexo de piscicultura que já começa a abastecer a população de peixe fresquinho (que grande exemplo de combate a fome) e uma população bovina, ovina e caprina de dimensões assinaláveis. Lamento não dispor de mais elementos para divulgação desse grande empreendimento cujo mentor e gestor é o cidadão Mawete. As minhas felicitações.

Precisamos de muitos “Mawetes” para a nossa região. Felizmente, eles existem, em potência e em capacidade de realização financeira, mas está difícil desabrocharem, porque tarda a tomada de decisão. Antes tarde do que nunca, por isso, tenho fé que florirão porque jamais permitirão que seus créditos fiquem em mãos alheias. Que Deus nos oiça!

 

Continua...

 

 

Archivos

Ultimos Posts