Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


"O rap tirou-me da escravidão mental" - Yannick Afroman

Publicado por Muana Damba activado 2 Octubre 2015, 04:52am

Etiquetas: #Música, #Entrevistas

"O rap tirou-me da escravidão mental" - Yannick Afroman

Luanda - Primeiro cantor angolano a encher o Estádio dos Coqueiros (2008). Autor do álbum "Mentalidade", Afroman arrasta multidões com a sua mensagem. O rapper voltou ao mercado com o recente "Terra a Terra", lançado a 21 de Dezembro 2014, na Praça da Independência em Luanda.


Yannick, que análise faz da música angolana na actualidade?


Cresceu bastante. Desde o alcance da paz, em 2002, a música angolana faz-se presente, mais presente ainda no quotidiano angolano. Lembro-me que quando comecei a dar os primeiros passos no mundo da música a família não concordava, pois achava que a música não era o melhor caminho a seguir para se afirmar na sociedade. Depois de uma batalha renhida na família, hoje sou um orgulho, pois consegui mostrar que estava certo. É verdade que há um crescimento, mas só em termos de quantidade, pois a qualidade ainda é baixa. É natural que haja pouca qualidade, mas a tendência é melhorar cada vez mais.

Diz que há pouca qualidade. O que se pode fazer para reverter esta tendência?


É como em qualquer área de negócio. A tendência é melhorar-se cada vez mais e acho que uma aposta mais séria em termos de composição, muita prática e não se olhar para o imediatismo são as receitas para o salto qualitativo que se quer.

Há qualidade para se rivalizar com, por exemplo, a música cabo-verdiana no mercado dos falantes da língua portuguesa?


Honestamente falando, estamos sim em condições para lutar de igual para igual, apesar de, volto a reforçar, ainda ser necessário aperfeiçoarmos mais em termos de qualidade. É verdade que em determinados momentos notamos que estamos lado a lado, mas depois se regista um certo distanciamento por parte deles. Tudo isto tem muito a ver com o facto de se registar no mercado musical angolano uma tendência para a imitação e não a criação de originais. É verdade que quem imita acaba sempre por criar algo novo, mas temos que olhar para o mercado e apostar mais na criação de coisas nossas, a partir do que é nosso, dando valor aos traços culturais angolanos. Somos pouco criativos. O artista não deve seguir a moda, mas sim fazer a moda. Quero com isto dizer que não nos devemos limitar a imitações, mas criarmos produtos nossos. Temos que ter a coragem de fazer coisas diferentes e que possam ficar registadas como produtos do fulano de tal ou criação de um angolano.

WERBUNG

O que fazer para que os artistas angolanos apostem mais na criação?


Quando falo da pouca criatividade, estou a referir-me a nova onda que está a surgir no mercado. A tendência actual da grande maioria dos artistas, que vão surgindo, é imitar o que já existe e se repararem bem a maioria desta nova geração canta igual, por exemplo, a um músico americano, cabo-verdiano ou alguém que já existe. São poucos os que têm a originalidade, que têm uma identidade. Portanto, ficam limitados e fazem somente à base de imitações. Mas, como se diz, há sempre excepções e o mercado tem registado algumas e bastante agradáveis.

Estamos num bom caminho. A nossa música está mais forte do que nunca e o que nos falta, às vezes, é o apoio. Está mais do que visto que é fácil eu fazer parceria com artistas de um mercado mais avançado, como por exemplo o norte-americano. Mas, para que isto aconteça, tenho que ter apoios. O que está a acontecer com os músicos nigerianos, cabo-verdianos e tantos outros é devido à máquina forte de apoios que recebem dos empresários dos seus países, porque está mais do que provado que só talento não basta.

Os empresários angolanos têm que perder o complexo que têm de achar que a música não é opção para apoiar, pois já provamos que depois do basquetebol e do andebol está a música, uma área que tem proporcionado enormes alegrias aos angolanos, um orgulho para quem tem realmente Angola no coração. Com aposta e apoio financeiro, podemos invadir o mercado internacional. É difícil a música sobressair se não houver uma aposta séria na vertente apoio/patrocínios.

Mas apesar deste mar de dificuldades, na vertente apoios, o fruto do trabalho feito dá para promover outro salto à carreira no país e no estrangeiro?


Ser músico em Angola é difícil, porque somos muitos. Mas existem alguns com sorte, como eu, que depois de muita luta conseguimos abrir determinadas portas. Não é fácil para um músico investir tanto na publicidade e na produção de um disco e levar ao Parque da Independência. Hoje o público consumidor já está a exigir qualidade e esta qualidade não fica abaixo dos 10 mil dólares. O músico não vive da venda de discos, o músico vive dos espectáculos e quando não tem espectáculos fica difícil e nem todos têm espectáculos regulares, apesar de colocarem discos no mercado com muita qualidade. No mercado musical angolano só consegue sobreviver, sublinho, só consegue sobreviver quem tem música realmente a bater nas rádios e televisões. Esta é uma das grandes razões que leva muitos artistas a apostarem em produtos descartáveis, porque são obrigados a cada fim-de-semana colocar no mercado uma música que fique na boca do povo. Desta forma já não é arte, mas sim comércio.

Mesmo assim, nota-se esforço para a internacionalização da música angolana. O que falta para o assalto final?


Só apoios. O pouco que se faz hoje fora é o resultado de um esforço individual de cada um. Com mais esforço colectivo, e não estou a falar somente do apoio financeiro, mas também na divulgação, conseguimos atingir um patamar além-fronteira. A divulgação das acções dos músicos ou criadores angolanos é um tónico que pode ajudar na luta travada pelos artistas.

A internacionalização da música angolana não é só o resultado do talento deste ou daquele artista, pois é também fruto de uma acção conjugada entre vários actores nacionais, empresários, media, governo, entre outros. Já mostramos o que valemos. Portanto, as pessoas com alguma posse podem ajudar-nos nesta cruzada.

Yannick, a tendência do mercado mudou. Hoje a grande maioria de fãs já prefere gastar mil kwanzas para comprar o original em detrimento das cópias piratas. Na sua opinião, o que provocou tal mudança?


É mesmo mudança de comportamento. Como disse numa música, o país está a crescer e paulatinamente a mudar as vontades dos angolanos. Ainda há uma certa resistência, mas se nota haver uma vontade de melhorar em todos os sectores. Tanto é que as pessoas já valorizam mais o nacional. Ainda há resistência, mas também já existem pessoas que estão conscientes de que o nacional tem qualidade e é bom. Os músicos também estão a fazer a sua parte, produzindo trabalhos com qualidade e o público está a valorizar. Estamos todos a crescer. Os músicos estão a crescer e os fãs também estão a crescer e a querer coisas originais e de qualidade.

Yannick é conhecido no mercado como o artista que publica músicas com letras educativas e apreciadas. Músicas cujas letras fazem crítica social. Qual é a fonte de inspiração?


A minha fonte de inspiração é o público. Como tenho dito repetidamente: eu falo alto o que o povo fala baixo. Procuro não pintar a minha música em cor-de-rosa. A minha música retrata a vida em preto e branco, sem ofender ninguém e muito menos colocar quem quer que seja em cheque. Não procuro adoçar para chamar atenção. Falo do que vivemos, dos nossos problemas, apresento críticas e soluções. A nossa música é baseada na nossa convivência: os problemas, as reclamações e também as coisas boas que se registam na sociedade angolana. Simplesmente pego nestas situações e levo-as a minha música. De certa forma, a música torna-se numa pizza onde cada um encontra o seu pedaço.

O que o rap tem em comum com Yannick Afroman?


O rap é a minha vida, o rap é o Yannick. O rap tirou-me da escravidão mental, ensinou-me. Se fosse uma igreja, eu estaria lá. Falo do rap que foi produzido até, provavelmente, nos anos de 2005, e não o de hoje, cujas músicas só falam de bebidas, drogas, prostituição, ostentação. Falo do rap que era como um satélite, onde passávamos a nossa mensagem. Tento fazer isto ainda hoje, levando sempre mensagens positivas.

Como começou a inclinação pelo rap? Diz-se que era apaixonado por free-style...


Foi o começo, pois o free-style tem tudo a ver com o rap.

Já se imaginou a fazer um outro estilo e não o rap?


O que mais me atraiu a apostar no rap foi o mesmo que me levou a gostar do reggae: o ritmo, a mensagem. Rap é uma música que me permite falar mil coisas em três minutos. Consigo falar e desabafar em pouco tempo. Já em outros estilos, tu não tens a liberdade que o rap proporciona. Embora o de hoje é completamente diferente do que fizemos antes.

No princípio da sua carreira esteve acompanhado do Mumu. Como surgiu o Mumu nesse projecto?


O Mumu surge no meu caminho entre 1994/95 em meetings promovidos pelos rappers na altura. Apesar de ter dificuldades na fala, pois se trata de um cidadão do Congo Brazzaville, tomei a iniciativa de trabalhar com ele. O Mumu foi o princípio, parte integrante e importante do “Império Afroman”. Foi a pessoa que me deu muita força. É uma pena que hoje não está aqui para colher e ver os frutos que esta árvore deu. Como homenagem, mantenho até hoje o nome Yannick Afroman, porque podia ser simplesmente Yannick Ngombo. Mantenho o nome em sua memória.

Qual era a estrutura e as linhas de força do grupo?


Éramos mesmo rebeldes. É verdade que tínhamos uma linha que apontava mais as críticas. Felizmente as coisas mudaram e o Yannick não só critica como também apresenta soluções. A nossa linha não mudou, pois sempre foi criticar que está mal e elogiar o que está bom.

"Tá Calor" terá sido o vosso primeiro tema de grande explosão em Angola. Mas já cantavam na década de 90. O que lembra dessa época dos Festivais de Hip-Hop, em Luanda?


Bons momentos. Éramos unidos, procurávamos os meetings. Conhecíamo-nos todos. Havia respeito. Foi uma época de ouro. Valeu muito aquela época, porque contribuiu para o surgimento de muitos rappers. Hoje as coisas são diferentes, próprio da dinâmica da vida. Olhando atrás, leva-me a dizer que valeu a pena a luta travada naquela época.

Ainda se lembra de alguns grupos que rivalizavam com o Afroman na década de 90 e começo do milénio 2000?


De muitos, mas prefiro não mencionar só para não deixar nenhum de fora e ser acusado de pretensioso. Tenho amizades que surgiram naquela época. Tenho fotos e vídeos que retratam alguns dos melhores momentos vividos na altura.

Yannick, 2008 marcou a grande viragem na sua carreira. Foi nesta altura que surpreendeu o país com o CD "Mentalidade" e teve a proeza de lotar, pela primeira vez, o Estádio dos Coqueiros. Como define esse momento?


Correcto. Até 2008 fui o único músico angolano que conseguiu lotar o estádio dos Coqueiros. Não é fácil ser rapper no país, onde o semba e o kizomba predominam. É uma satisfação e lembro-me que quando comecei éramos considerados marginais. O rapper era discriminado e diziam que nada tinha a ver com rap dos SSP, pois o público achava que o rap era o produzido pelo grupo SSP. Foi uma fase difícil, tendo em conta que fizéssemos o que fizéssemos as pessoas encontravam sempre um defeito: se não era igual a dos SSP, então nada tinha de rap. Éramos sempre comparados e o estilo deles dominava, factor que nos obrigou a fazer uma pausa até as pessoas entenderem o outro rap. Lembro-me que, quando fui à portaria do Cine Atlântico, ficamos completamente surpreendidos com uma venda “brutal” e que levou a suspensão da actividade, pois em menos de seis horas as 15 mil cópias tinham sido vendidas.

O Yannick Afroman começa a marcar recordes de venda em Angola, factor que levou a transferência do local de venda para a Praça da Independência. Foi o sinal de que o mercado estava conquistado e que deu forças para levar em frente o projecto do show no estádio dos Coqueiros, onde nenhum artista angolano tinha a coragem de se aventurar, muito menos um rapper. Devo agradecer ao meu grande mecenas, o senhor Eugénio, que não teve medo de apostar na minha carreira. Foi um dia memorável e histórico, que fica na memória de muita gente. Sinto-me feliz por ter sido a cobaia dos músicos angolanos.

Que mudanças trouxe para a sua vida?


Foi uma reviravolta feliz. Sinto-me bem, porque consegui fazer alguma coisa positiva no mercado musical angolano. Foi um momento que será sempre lembrado. Este momento trouxe respeito, mudança para todos os músicos, credibilidade para os músicos e mudou a maneira de diversas personalidades angolanas sobre a opinião que tinham em relação a alguns músicos e muito particularmente ao estilo rap.

Nesse disco, surge com mais evidência, com uma linha de intervenção social, trazendo crítica social. Considera-se um crítico social?


Sim. Faço música e escrevo letras que são factos que vejo. São preocupações, alegrias que gosto de partilhar com o meu público. Não sigo moda, faço moda. Falo o que sinto, porque sei que vou partilhar com outras pessoas.

Porquê canta tanto sobre o complexo de superioridade do angolano?. Será que em Angola há muitos complexados?


É um problema que existe no país. E uns interpretam mal o tal sentimento. Procuro mostrar que, apesar das nossas diferenças, somos iguais, bem como mostrar como devemos encarar a vida apesar das nossas dificuldades.

Essas letras trazidas no CD Mentalidade e em outros trabalhos já lhe trouxeram algum dissabor?


Já, em função da letra de uma música que fala sobre o preconceito, apesar de ser uma canção bem explícita. Devido às críticas, tive que me isolar durante algum tempo para poder reaparecer e encarar o facto de uma forma natural, sabendo que o sucesso, às vezes, gera inimizades. Felizmente, hoje as coisas são bem diferentes e fico satisfeito quando os fãs me abordam dizendo que gostam desta ou daquela música, porque fala muito sobre eles.

Acha salutar que os homens do rap se deixem vencer pela febre do mercado?. Ou não há como lutar contra essa interferência de outros ritmos no rap?


O artista é livre de exprimir os seus sentimentos. As pessoas crescem. Como disse, é duro ser rapper. Portanto, cada um de nós procura se enquadrar da melhor forma. Se no rap não dá e acha que deve recorrer a outro estilo para marcar o seu espaço no mundo da música em Angola, então que se vá em frente. Felizmente, os exemplos são bastante agradáveis. O artista é livre e deve fazer o que acha que deve fazer.

Estar no "Team de Sonho", o que representa?


De princípio, não era minha intenção entrar neste projecto, porque mais parecia um projecto de filhinhos de papai. Os meninos que não precisam de nada, mas ao longo do tempo vi que é bem diferente, por se tratar de team que dá valor aos músicos. Antes do meu mais recente disco andava sozinho, enfrentando batalhas em que precisava de alguém ao lado e quando olhava de lado as pessoas me viravam às costas.

Quando recebi o convite do Republicano, aceitei-o sem olhar atrás. Muitos pensaram que me levaria a mudar a minha forma de ser e estar perante a música, mas felizmente estou a mostrar que o Yannick não muda, é sempre o mesmo. Gosto de deixar as coisas bem definidas. Se me levaram para o campo é para marcar golos e não vou mudar a minha posição só para satisfazer vontades. Sinto-me bem por fazer parte deste projecto.

Uma palavra para aqueles que continuam a lutar pelo rap e no rap...


A música é arte, a arte não tem preço. Embora cobremos para actuarmos (só o fazemos porque temos famílias a depender de nós), a arte não tem preço. Quem está no mundo da música deve gostar do que faz. Primeiro o trabalho e depois o salário, querendo com isto dizer que primeiro o amor à arte, sabendo que um dia o teu esforço será recompensado. Quem está na música deve saber que o seu produto pode influenciar a opinião dos seus seguidores, razão pela qual deve ter cuidado com as letras das músicas.

PERFIL

Yannick Manuel Ngombo “Yannick Afroman” começou a carreira em 1989, em Paris (França), fazendo free-style. Voltou para Angola em 1995, onde se juntou a Mumu e Kitess, dando origem ao grupo Afroman. Após a morte de Mumu e a emigração de Kitess, Yannick é agora o único membro integrante do grupo.

Em 1999, com a estreia da música promocional não comercializada "Ta Calor", o grupo rápido conquistou um espaço entre o público, pela primeira vez fora da comunidade Hip-Hop.

Daí, as portas abriram-se para Afroman que é hoje: um dos músicos mais populares em Angola. Bateu recordes: a 21 de Dezembro de 2008 de CD mais vendido até a data no país, com 15 mil cópias vendidas, e consequentemente com o concerto com mais assistência até então, com mais de 22 mil em 7 de Fevereiro no Estádio dos Coqueiros.

"Mentalidade", o álbum que qualquer angolano se identifica logo à primeira, retrata situações do dia-a-dia em Angola, apela também pela liberdade de expressão e serve como ferramenta de intervenção social, abordando a mentalidade da sociedade que precisa de uma mudança, para a reconstrução de uma Angola melhor.

Nome: Yannick Manuel Ngombo
Data de nascimento: 30 de Janeiro de 1982
Local de nascimento: Uíge
Prémios: Melhor Rap 2001/2003 e 2009 (Rádio Luanda)
1º rapper a alcançar o pódio do Top dos Mais Queridos, 2º classificado, em 2009

Discografia


Mentalidade, 2008
Terra a terra, 2013

Via Angop

Archivos

Ultimos Posts