Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog

Portal da Damba e da História do Kongo

Portal da Damba e da História do Kongo

Página de informação geral do Município da Damba e da história do Kongo


Medicamentos foram destruídos

Publicado por Muana Damba activado 18 Abril 2015, 05:29am

Etiquetas: #Notícias do Uíge

Fotografia: Arão Martins
Fotografia: Arão Martins

Por Nicodemos Paulo

A Polícia Económica destruiu ontem na província do Uíge, duas toneladas de medicamentos falsos, provenientes da República Democrática do Congo.

Os medicamentos, destruídos na localidade fronteiriça de Quimbata, município de Ma­quela do Zombo, foram a­preendidos numa busca e­fectuada por agentes da Polícia Económica.


O director em exercício do órgão policial, intendente Viera David, declarou que o contrabando de mercadorias é uma prática corrente na fronteira entre Angola e a República Democrática do Congo e pediu à população que continue a denunciar casos do género: “Estamos a melhorar a vigilância e a redobrar esforços para dissuadir os cidadãos nacionais que, em colaboração com cidadãos congoleses, se dedicam a práticas criminosas”.
O oficial da Polícia Económica afirmou que a escassez na República Democrática do Congo está na origem da venda dos combustíveis de contrabando, actividade feita por nacionais e congoleses no “outro lado da fronteira e que nada beneficia o país”. De Janeiro a Março, foram registados 115 crimes, dos quais constam burlas, exercício ilegal da função pública ou profissão tutelada e apropriação ilegítima de bens.


No mesmo período, foram detidos 16 cidadãos estrangeiros, por exercício de actividade económica de forma ilegal. As infracções registadas resultaram na aplicação de 36 multas, no valor de 2, 5 milhões de kwanzas. “A nossa população, por se dedicar muito ao comércio, muitas vezes esquece que existem regras e princípios que devem ser cumpridos.
Quando induzidos por estrangeiros, perdem a calma e entregam-se a toda a sorte de negócios que nem sempre são legais e o resultado são multas ou cadeia”, lamentou o oficial da Polícia Económica.

Via JA

Archivos

Ultimos Posts